Arte é Inovação 2020

Entre os dias 22 e 25 de outubro, o Polo Cultural promoverá o evento "Arte é Inovação", quando artistas e profissionais de diferentes setores realizarão talks sobre os temas Arte, Inovação e Sustentabilidade.

A proposta é trazer luz a temas como: arte como ativismo, a arte que pulsa nas periferias, territórios criativos, centros comunitários na periferia, acessibilidade artística, empreendedorismo social e outros.

Serão 4 dias de evento, com oito talks, quatro performances e muitas trocas e aprendizados.

22.10 A saída é a arte Mel Lisboa, Izabel Wilker, Leona Jhovs e Luz Ribeiro   A arte das periferias não é influenciada, ela é a influência Carol Peixoto (Slam das Minas), Pam Araujo (Slam das Minas) e Khally Hip Hop (B Boys) MAIS +
23.10 Arte ativista Marcela Scheid, Fábio Ventura (Coletivo Abrupto), Tawane Theodoro, Tim (Imargem) e Leona Jhovs   Territórios criativos - a ascensão da classe criativa Laura Taves (Museu do Amanhã) e Kleber Montanheiro (Cia da Revista)(Khaly) MAIS +
24.10 Centros comunitários e vida na periferia Ygor Melo (Teto Br), Khally Hip Hop (B Boys) e Adélia Rodrigues (Gastronomia Periférica)   Território global Vj Fer Pineirua, Vj Mozart e Ygor (VJ Suave) MAIS +
25.10 Acessibilidade artística Nina Mancin (Polo Cultural), Victor di Marco e Isis De Castro Riechelman   Empreendedorismo social em busca de autonomia Lemuel Simis (Firgun), Liliane Jacintho (Plana Vivências) e Daniel Annenberg MAIS +

PROGRAMAÇÃO

22.10 16h - ABERTURA:Tawane Theodoro (poesia) TALK: A saída é a arte A pandemia escancarou, mais uma vez, a importância da arte. Em tempos de isolamento social, foi a arte que nos acompanhou por toda trajetória e seguirá dando a direção. Em casa, foram os artistas, músicos, cineastas, escritores e poetas que nos aliviaram em momentos de tensão. A arte traz esperança e mexe com nossas emoções. MEDIAÇÃO: Luz Ribeiro PARTICIPAÇÕES: Mel Lisboa, Izabel Wilker e Leona Jhovs LIVE NO YOUTUBEQUERO PARTICIPAR ATRAVÉS DO ZOOM   18h - TALK: Arte na periferia não é influenciada, ela é a influência A antropofagia da semana e arte moderna nos transformou em um caldeirão artístico cultural por 100 anos. Hoje colhemos uma revolução cultural nas periferias trazendo essas estéticas no dia a dia de todos. Funk, HipHop, poesias, grafite, pinturas, tatuagens, a revolução está no nosso dia a dia. A arte periférica é a cultura brasileira que alimentará o planeta. Estamos só no começo. MEDIAÇÃO: Marcelo Sollero PARTICIPAÇÕES: Carol Peixoto (Slam das Minas), Pam Araujo (Slam das Minas) e Khally Hip Hop (B Boys) LIVE NO YOUTUBEQUERO PARTICIPAR ATRAVÉS DO ZOOM   20h - PERFORMANCE: Projeção Vj Suave LIVE NO YOUTUBE
23.10 16h - TALK: Arte ativista Em uma carta para um amigo, Lenin reclama dos artistas pós revolução de 17. Os líderes chineses se irritavam com a arte porque questionavam tudo que eles faziam. Pushkin, poeta russo, foi preso pelo Czar. Fitzgerald escreveu um livro chamando o presidente de Vegetal. Arte é forma de se expressar; de colocar para fora as angústias, os anseios e nossas vulnerabilidades. É pela arte que comunicamos aquilo que queremos dizer com o coração: pode ser amor ou dor. O fazer artístico sempre foi caminho para a luta: expor feridas, escancarar desigualdades, denunciar abusos e opressões. É pela arte que nos fazemos ser ouvidos. É pela arte que a gente grita. MEDIAÇÃO: Leona Jhovs PARTICIPAÇÕES: Marcela Scheid, Fábio Ventura (Coletivo Abrupto), Tawane Theodoro e Tim (Imargem) LIVE NO YOUTUBEQUERO PARTICIPAR ATRAVÉS DO ZOOM   18h - TALK: Territórios Criativos - a ascensão da classe criativa Territórios criativos são bairros, cidades ou regiões que apresentam potenciais culturais criativos capazes de promover o desenvolvimento integral e sustentável, aliando preservação e promoção de seus valores culturais e ambientais. Nos territórios criativos, podem existir diversas atividades ao mesmo tempo que vão desde indústrias culturais clássicas, como artes visuais, música e literatura, até outros setores, como propaganda, arquitetura, arqueologia e design. A economia criativa é um setor estratégico e dinâmico, tanto do ponto de vista econômico como social. Suas atividades geram trabalho, emprego, renda e inclusão social. Acreditamos no potencial propagador da arte como forma de fazer revolução e como forma de transformar a sociedade. MEDIAÇÃO: Marcelo Sollero PARTICIPAÇÕES: Laura Taves (Museu do Amanhã) e Kleber Montanheiro (Cia da Revista) LIVE NO YOUTUBEQUERO PARTICIPAR ATRAVÉS DO ZOOM   20h - PERFORMANCE: Slam das Minas LIVE NO YOUTUBEQUERO PARTICIPAR ATRAVÉS DO ZOOM
24.10 16h - ABERTURA:B Boys TALK: Centros comunitários e vida na periferia Uma cidade sustentável é uma cidade feita por e para pessoas, que fomenta a cultura e consumo local, por meio de trocas justas. Acreditamos que é preciso trazer o lazer como forma de aprendizagem. O local onde convivemos, conhecemos outras pessoas e vemos o novo é - ou deveria ser - o espaço mais importante da nossa comunidade. Escola, clube, parque, centros culturais, praças, hortas e outros são lugares que ativam nossa consciência e abrem nossa mente. Por isso, acreditamos que a criatividade é impulsionada por espaços sadios de convivência. São em centros comunitários que a diversidade floresce. MEDIAÇÃO: Marcelo Sollero PARTICIPAÇÕES: Ygor Melo (Teto Br), Khally Hip Hop (B Boys) e Adélia Rodrigues (Gastronomia Periférica) LIVE NO YOUTUBEQUERO PARTICIPAR ATRAVÉS DO ZOOM   18h - TALK: Território global Hoje, o local e o global conversam em um grande território criativo. Vivemos em um mundo marcado pela globalização, resultante, entre outros fatores, da expansão das tecnologias de comunicação. A arte ultrapassa as fronteiras e possibilita aos agentes das áreas de expressão se comunicarem e trocarem referências. Estamos todos conectados e, desta forma, é possível para um produtor musical do Interior do Brasil, por exemplo, ter a possibilidade de desenvolver uma parceria profissional com outro instrumentista do outro lado do planeta. A arte rompe barreiras e é através dela que nos conectamos. MEDIAÇÃO: Ygor (VJ Suave) PARTICIPAÇÕES: Vj Fer Pineirua e Vj Mozart LIVE NO YOUTUBEQUERO PARTICIPAR ATRAVÉS DO ZOOM   20h - PERFORMANCE: Teatro Madame Blavatsky (Mel Lisboa) LIVE NO YOUTUBE
25.10 16h - TALK: Acessibilidade artística O projeto Arte É Inovação se propõe a inserir a pauta da cultura da acessibilidade em todos os segmentos. Importante enxergar a arte como ferramenta de inclusão social no sentido de promover uma integração entre pessoas com e sem deficiência. A Polo Cultural, através do Projeto Acessibilidade ao Palco, por exemplo, promove anualmente em torno de uma manifestação artística, a reunião entre crianças com e sem deficiência. A experiência tem se mostrado um sucesso e prova que arte tem a capacidade de instaurar a inclusão social. MEDIAÇÃO: Eneida Soller PARTICIPAÇÕES: Nina Mancin (Polo Cultural), Victor di Marco e Isis De Castro Riechelman LIVE NO YOUTUBEQUERO PARTICIPAR ATRAVÉS DO ZOOM   18h - TALK: Empreendedorismo social em busca de autonomia Empreendedorismo social é sobre ter autonomia para criar um trabalho com significado, que gere impacto ao nosso redor. Estamos buscando novas formas de nos relacionar com nosso tempo - e também com o nosso trabalho. É preciso criar um trabalho que atenda às nossas demandas e também às demandas da sociedade. MEDIAÇÃO: Bruna Coletti PARTICIPAÇÕES: Lemuel Simis (Firgun), Liliane Jacintho (Plana Vivências) e Daniel Annenberg LIVE NO YOUTUBEQUERO PARTICIPAR ATRAVÉS DO ZOOM   20h - PERFORMANCE: Bloco de Carnaval Vra Power LIVE NO YOUTUBEQUERO PARTICIPAR ATRAVÉS DO ZOOM

2020 nos colocou em estado de impermanência o tempo todo. Não se é. Se está sendo.

Trocamos dia pela noite, quente por frio, claro por escuro. O ritmo de cada um bate do seu próprio jeito. Agora seguimos em nossa própria cadência, com nossos próprios limites.

O convite à viagem interna nos faz ir às profundezas para tocar as raízes. Em contato com nossos desejos, anseios e angústias mais profundas e primitivas podemos explorar nossas vulnerabilidades, abrindo espaço para sentimentos autênticos. E cá estamos nós, tentando imaginar outros mundos possíveis.

Além de rebelde, em tempos de incerteza, o otimismo é uma opção corajosa.

Em tempos de crise epistêmica, precisamos focar no que é verdadeiro.

Estamos estabelecendo novos limites; novos contornos e é preciso conexão com o que é profundo; ancestral. Hora de estruturar alicerces. Redes cooperativas parecem ser nosso novo respiro. Comércio local, justo, que respeita a vida de todos os envolvidos.

O bombardeio de informação e conteúdos inúteis em feeds infinitos estão perdendo espaço para uma curadoria que represente nossa autenticidade, aquilo que queremos ser. Sob demanda. Queremos existir sob nossa própria demanda. No nosso próprio tempo. Queremos inventar a nossa própria forma de viver.

Vamos juntos?