Projeto Acessibilidade comemora ano de estreia e novo ciclo de atuação

02.04 - Dia do Autismo

A atuação de sucesso em seu ano de estreia garantiu a continuidade do projeto Acessibilidade em 2018. É mais um compromisso do Polo Cultural com a inclusão social de crianças, porém voltado especificamente para aquelas com algum tipo de deficiência. Neste 2 de abril, Dia Mundial da Conscientização do Autismo apresentamos o projeto Acessibilidade.

“É um projeto de inclusão social de pessoas com deficiência nas atividades do Polo Cultural”, resume Bruna Burkert, idealizadora e coordenadora do Acessibilidade. Essa inclusão, entretanto, é feita por meio de metodologias artísticas que respeitam as particularidades das crianças e jovens com deficiência. Mais que isso, é uma inclusão com afeto.

“O Palco existe há muitos anos, mas nunca tivemos o envolvimento adequado de crianças com deficiência. O Acessibilidade é a possibilidade que essas crianças também tenham acesso, porque acreditamos no potencial do O Palco e no impacto positivo na vida das crianças”, detalha Burkert.

A metodologia consiste em utilizar as artes plásticas como plataforma antes de apresentar as artes cênicas para as crianças do projeto Acessibilidade. Com temas que envolvem criação de personagens, cenários e histórias, eles formatam um mundo lúdico, onde é possível desenvolver a criatividade e aumentar a autoestima. Engajados, os alunos partem para a ação nas atividades teatrais, cuja concepção também envolve ganhos expressivos no desenvolvimento deles, como maior confiança e sociabilidade.

“Eles evoluíram na questão do relacionamento. Temos relatos muito fortes de pais de alunos e dos professores. Segundo eles, as crianças se sentem mais vistas, capazes de realizar e com vontade de estarem presentes”, conta a coordenadora.

Turma de alunos do projeto Acessibilidade, no Jaçanã, em comemoração da festa junina em 2017 | Foto: Arquivo Polo Cultural

Turma de alunos do projeto Acessibilidade, no Jaçanã, em comemoração da festa junina em 2017 | Foto: Arquivo Polo Cultural

Aula de brincar

Todo o trabalho desenvolvido pelo Acessibilidade conta com uma técnica que supera qualquer ciência: o afeto. Quando se trata de crianças com algum tipo de deficiência mais do que nunca ele se torna fundamental dentro do processo de aprendizagem. É o afeto que estabelece o elo capaz de dar confiança para que os trabalhos sejam desenvolvidos.

“Basicamente, podemos dizer que elas só cooperam com as atividades se houver afeto. O emocional é o que comanda essas crianças e você precisa conquistar esse interesse. Isso faz com que o aluno crie uma conexão muito forte com nós, educadores”, explica Bruna Burkert. Entender as individualidades também é base da metodologia, uma vez que há vários níveis de deficiência.

Tamanha dedicação cria um vínculo tão genuíno entre alunos e educadores, que para as crianças, as aulas do Acessibilidade foram carinhosamente nomeadas de “aulas de brincar”.

Em 2017, o Polo Cultural atendeu 40 crianças com necessidades especiais do CEU Jaçanã, na zona norte de São Paulo,  e continua a acompanhar o desenvolvimento dessas e outras crianças nesse novo ano letivo.

Para colaborar com o projeto Acessibilidade, acesso nosso canal de contribuição.

Veja o progresse das crianças com as atividades do Acessibilidade!