O Palco sai da escola para ocupar espaço mágico em Ibitinga

10.04 - Arte_Ibitinga

Com menos de 100 mil habitantes, a singela cidade de Ibitinga irá receber o projeto O Palco em 2018. Como notícia no interior de São Paulo espalha rápido, a população da cidade e os gestores municipais já contam os dias para a estreia do projeto. Pela primeira vez, O Palco receberá um cenário diferente e ocupará um centro educacional do município, ao invés de se instalar dentro de uma escola. A ideia é atingir um número maior de crianças e jovens, além de aproveitar um espaço muito propício para a arte-educação.

Esse espaço cultural pensado para o melhor desenvolvimento das crianças de Ibitinga é parte do Projeto Crescer, uma iniciativa municipal que ganha força com a parceria com O Palco. “O projeto funciona como uma escola no contraturno escolar, ele é municipal, portanto contamos com professores concursados para organizar atividades no espaço, mas as crianças que frequentam são tanto da rede municipal quanto estadual”, explica Ana Cristina Aranas, coordenadora do Projeto Crescer, com carregado sotaque português.

Nascida em solo lusitano, Ana Cristina é uma das idealizadoras do espaço e não esconde a imensa alegria de receber O Palco na cidade. “Eu sou de Portugal, mas tenho o maior orgulho de morar aqui e a palavra que eu deixo para O Palco é gratidão. As nossas crianças vão ficar encantadas e agradecidas, vai fazer muito bem para elas. O que a música, a dança e o teatro operam nessas crianças mais carentes é algo importante, o quanto que elas podem desenvolver em habilidades!”, agradece a gestora.

A mágica história de Ibilândia

Ana Cristina trouxe inspirações da Europa para cidade de Ibitinga. | Foto: Polo Cultural

Ana Cristina trouxe inspirações da Europa para cidade de Ibitinga. | Foto: Polo Cultural

Os gramados bem aparados dividem espaço com árvores de pequeno porte e bancos coloridos. Também coloridos são os vasos, que recebem as plantas menores, espalhados pelo espaço. A grama é convidativa para um caminhar pela sombra, mas os corredores em formato de pequenas ruas chamam atenção, sobretudo pelas placas de sinalização de trânsito em um lugar que não passam carros. O portal revela a identidade desse local curioso: Ibilândia, escrito em letras excessivamente arredondadas que imediatamente nos remete à Disneylândia.

Nada é mera coincidência. Ibilândia é o espaço cultural do Projeto Crescer e foi inspirado na Disney de Paris. A ideia de reproduzir uma cidade em tamanho reduzido é trabalhar com lúdico e incentivar as crianças a pensar no bem-estar no município. Para isso, o contraturno escolar é ocupado com atividades educacionais e, a partir de agora, com O Palco.

Ana Cristina foi quem pensou as características do espaço, usando seu repertório como coordenadora municipal de educação, cargo que ocupou na prefeitura antes de assumir o Projeto Crescer.

“Você quer participar de um desafio e fazer algo diferente”, questionou o secretário de educação Francisco José Talarico. “Não é um desafio, é uma missão”, confirmou a lusitana recém-chegada das férias e com grandes ideias em mente. “Em Portugal tem uma minicidade que chama ‘Portugal dos pequenos’ e isso foi uma inspiração, até um pouco de saudosismo. Mas eu também tenho dois filhos e sei que o lúdico é importante, por isso também trouxe um pouco da Disney de Paris”, revela a gestora. Foram três meses de um estudo pedagógico antes da proposta ser implementada em Ibitinga.

As salas do mundo mágico de Ibilândia são temáticas, tem a prefeitura, o posto de saúde e o mercado, por exemplo. “O posto de saúde usamos para a prevenção de doenças e as campanhas de vacinação são feitas lá, na prefeitura as crianças entendem as normas sem qualquer vínculo político e no mercado, onde tudo se gera, incluímos aulas lúdicas de matemática, além do caminho sensorial que retrata o trânsito. Tudo tem um sentido de ser”, detalha Ana Cristina, no Brasil desde os 21 anos e uma fervorosa ibitinguense. O espaço que recebe O Palco em 2018 também tem uma brinquedoteca e um espaço de leitura.

O presente de Páscoa de Ibitinga

O acerto entre o Polo Cultural, que coordenada as atividades do O Palco, e a prefeitura de Ibitinga aconteceu pouco antes do feriado de Páscoa, motivo pelo qual foi considerado como um presente para a coordenadora do Crescer, Ana Cristina.

“Para nós foi um presente. Eu brinquei com a Páscoa porque foi o melhor presente que poderíamos ganhar. É indescritível a emoção quando ficamos sabendo. A gente escuta falar muito do projeto O Palco e isso nos enche de orgulho e gratidão por estar aqui em Ibitinga. Isso coincidiu com a Páscoa um momento de renovação, tudo se encaixou perfeitamente”, finaliza Ana Cristina.

O Palco vibra junto com a cidade de Ibitinga, por poder desenvolver o projeto em um espaço tão rico para a educação das crianças. Os oficineiros estão em processo de seleção e a sala escolhida já começa a ser adaptada para as aulas de teatro, música e dança. Ainda não se sabe se as três oficinas serão realizadas ou só algumas delas, porém esforços não faltarão pelas artes em Ibitinga.

A participação do O Palco em Ibitinga só é possível com a parceria com a AES Tietê, que acredita na transformação pela arte no interior de São Paulo. Para contribuir com as atividades do Polo Cultural, entre no nosso canal de colaboração.