Bauru recebe O Palco e nova atuação das artes dentro da educação

05.04 - Arte_Bauru

Uma sala central na Escola Municipal Geraldo Arone ganha uma movimentação diferente desde a semana passada. O motivo é a chegada do projeto O Palco na cidade de Bauru, que terá atuação na escola para as crianças da rede pública. A iniciativa trará para dentro do ambiente escolar atividades artísticas com metodologias que fortalecem a educação regular dos alunos.

“A nossa escola é de periferia e necessitamos que os alunos estejam dentro da escola, para eles se ocuparem e se envolverem menos com a violência no bairro. As crianças gostam de artes, a gente percebe isso”, destaca a diretora da escola, Renata Tedeschi Coutinho.

O Palco atua em áreas de modo a descentralizar o acesso a cultura e aproximar crianças e jovens de um rico universo artístico, trabalhando em três frentes: teatro, dança e música. Ainda não foi decidido quais serão as aulas disponíveis em Bauru, mas certo mesmo é a consolidação do vínculo escolar por meio dessas atividades.

O ambiente nem sempre propício para o desenvolvimento saudável de uma criança impacta na maneira como ela enxerga o mundo. As artes ampliam essa visão, apresentando novas possibilidades e uma sociedade que não se restringe àquela realidade muitas vezes árdua. As artes dão voz aos que querem – e precisam! – ser ouvidos.

“Eu penso muito sobre isso, as artes são um meio de se expressar. Através do teatro, da dança, da música, e até das artes plásticas, as crianças mais retraídas começam a mostrar realmente um potencial”, afirma Renata.

Renata Tedeschi, diretora da Escola Geraldo Abone, com Marcelo Sollero, diretor executivo do Polo Cultural. | Foto: Polo Cultural.

Renata Tedeschi, diretora da Escola Geraldo Abone, e vice-diretora, Daniela Mesquita, com Marcelo Sollero, diretor executivo do Polo Cultural. | Foto: Polo Cultural.

Fora dos grandes centros; no centro da escola.

O Palco chega a mais uma cidade do interior ampliando um acesso à cultura que tende a se concentrar nas capitais e centros mais urbanizados. Em Bauru, porém, uma característica ainda é mais peculiar. A posição da sala, centralizada na escola, não é mera coincidência e foi pensada para dar maior visibilidade e gerar mais interesse dos alunos.

“A sala está em um local em que todos tem acesso, até da rua dá para ver essa sala. Com certeza, a hora que as crianças verem vão se interessar, só de ver essa movimentação, todos vão querer voltar para escola e isso é muito importante”, explica a diretora. A permanência dos pequenos no ambiente escolar se torna ainda mais relevante em meio a proximidade da violência no bairro.

O impacto do projeto também envolverá a comunidade. O Palco tem como princípio envolver a localidade nas ações. “A uma defasagem no acesso à cultura nas comunidades, isso será um ponto superpositivo. Não só as crianças, mas a comunidade em geral precisa de apresentações culturais, isso não chega aqui”, reforça a educadora Renata Tedeschi.

O próximo passo do projeto O Palco em Bauru é preparar o espaço físico, uma vez que a sala passará por uma reforma para se adequar as necessidades da iniciativa. A pintura já começou e a inauguração do espaço está marcada para a primeira semana de maio. Na sequência, O Palco entra em ação!

O projeto O Palco chega em Bauru com o apoio da AES Tietê, que também disponibiliza os recursos para manter as atividades em Ibitinga. Para também ser um apoiador, entre no nosso canal de contribuição.