O palco do Polo Cultural

Fundado em 1998, o Polo Cultural tem como missão incorporar todo tipo de arte ao dia a dia das crianças e jovens de comunidades das zonas Norte e Sul da cidade de São Paulo, assim como em Caconde, São José do Rio Pardo e Bauru, no interior do estado. Ao longo de mais de duas décadas, a organização vem promovendo o encontro mágico entre os jovens e a música, o teatro, a poesia e a dança.

 

“Tudo começou quando, em 2005, vários artistas do Polo foram convidados para trabalhar em algumas escolas públicas ensinando o que mais gostavam: arte”, diz Marcelo Sollero, responsável pelo Desenvolvimento Institucional e Gestão de Projetos do Polo Cultural. “Durante esses 15 anos, nós fomos desenvolvendo uma metodologia para nos relacionar com as escolas e diretorias, o que a gente chama de O Palco.” O projeto está sustentado em três pilares: a ação estruturante, onde são garantidos os materiais e as dinâmicas de integração; as aulas periódicas, com algumas participações especiais de artistas, e uma apresentação final para a comunidade. “A ideia da apresentação é fazer com que o jovem viva a experiência de estar no palco, de estar em destaque, depois de todo um processo de aprendizado e dedicação. A experiência deles é simplesmente inexplicável.”

 

Atualmente, estão ocorrendo oficinas de música na Lapa, poesia, no Jaguaré e teatro com ballet, no Jaçanã. Além disso, está saindo do forno a Acessibilidade ao Palco, uma ação trabalhada com crianças portadoras de alguma deficiência. São mais de 1200 jovens se preparando para as tão esperadas performances do final do ano, que, ao todo, vão receber mais de 10.000 espectadores!

 

Ao final de cada oficina, é construída uma sala especial para os estudos das artes em cada escola participante, o que garante a continuidade do projeto. “Nosso objetivo é implementar a oficina e fazer com que eles continuem na prática,” diz Sollero.