O despertar da ‘vontade’ pelas artes em Bauru

Mais que um projeto social envolvendo educação e artes, o projeto O Palco trouxe novas perceptivas para as crianças de Bauru, com as aulas do ciclo de 2018 realizadas pela iniciativa do Polo Cultural, com apoio da AES Tietê. Os novos horizontes são abertos pela vontade de aprender, que não se esvaiu depois do encerramento das aulas.

A professora Dafne Pereira, que ficou responsável pelo Street dance nas oficinas, é quem destaca a “vontade” como mais um legado do projeto O Palco. “Ficou a vontade de querer mais, porque pela primeira vez elas tiveram a oportunidade de se aproximar da cultura e ter essa vivência artística. Isso é maravilhoso e para eles é algo novo, por isso deixou saudade, mas também a vontade nos alunos e professores também”, destaca a educadora.

A chance de se aproximar das artes, bem como das metodologias educacionais por trás de cada atividade cultural, ampliou os horizontes de crianças que nunca haviam sequer presenciado um espetáculo. Com o projeto O Palco elas viraram protagonistas de uma apresentação e, por que não, protagonistas de uma nova trajetória.

Ou seja, para quem esteve durante um ano inteiro com artes nas escolas, abrir mão dessa vivência não é uma alternativa simples. O engajamento para que a arte esteja mais presente naquele cotidiano é um apelo que envolve professores, alunos e toda a comunidade ao redor da Escola Estadual Geraldo Arone.

“Com certeza o projeto aproximou a comunidade da escola. Na verdade, foi uma via de aproximação entre pais, comunidade e escola. E pela minha experiência isso é algo que nós precisamos muito, do apoio familiar e da comunidade”, afirma Dafne Pereira, com a propriedade de alguém que cresceu naquele bairro, estudou no Geraldo Arone e se tornou professora do projeto O Palco.

A iniciativa do Polo Cultural completou seu ciclo em 2018 com a certeza de que novos ciclos de artes e educação surgirão a partir daquela experiência tão marcante.